Programa Mais médicos - Cubanos do programa Mais Médicos são recontratados para auxiliar na pandemia do Coronavírus

O Programa Mais Médicos foi criado em 2013. Guiado pelas necessidades sociais, estabeleceu um novo marco regulatório para a educação médica e residência no Brasil. Este estudo é baseado em políticas públicas e suas ações destinadas a implementar mudanças na educação médica em PMM, bem como seus resultados até 2015, através da análise de documentos de fontes oficiais e da literatura.

Desde o início do programa foram identificados os seguintes resultados: diminuição das desigualdades regionais na distribuição dos cursos de graduação; internalização da educação; aumento dos assentos de residência médica especializados em Medicina Familiar e comunitária; expansão da qualificação de preceptor; e criação do Registro Nacional de especialistas.

Os desafios enfrentados pelo Mais Médicos para atingir efetivamente seus objetivos, a necessidade de compromisso do estado e as ameaças atuais a esta dimensão vital do programa (garantir o direito à saúde) são apontados. Ao assumir a presidência o presidente Jair Bolsonaro demitiu os cubanos que tinham se voluntariado para os cargos, entretanto, devido a pandemia do novo Coronavírus recontratou-os.



A viagem incluirá médicos cubanos no Brasil como parte de um programa médico que foi cancelado no final de 2018 em meio a uma briga diplomática entre Havana e Jair Bolsonaro, disse o Ministério da saúde na segunda-feira.

Autoridades do Ministério da saúde disseram que inicialmente vão procurar contratar cidadãos brasileiros, mas depois disso, eles iriam tentar trazer médicos cubanos-danos colaterais em uma guerra de palavras entre o Presidente Jair Bolsonaro, que era então o presidente eleito, e Havana.

Bolsonaro, um capitão do exército de extrema-direita, tem por anos railed contra Cuba comunista, que tinha laços estreitos com anteriores administrações esquerdistas em Brasília.

Quase 9 mil médicos cubanos, muitos que trabalham em comunidades remotas e pobres em todo o Brasil de tamanho continental, foram para casa em novembro de 2018, depois que Havana os retirou. Bolsonaro disse que eles estavam trabalhando em "trabalho escravo" porque o governo cubano tomou 75% de seus salários.Mas 1.800 não voltaram para Cuba e serão elegíveis para re-contratação, disse um funcionário do Ministério à Reuters.

Cuba tem um serviço de saúde respeitado e gera grandes receitas de exportação, enviando mais de 50.000 trabalhadores de saúde para mais de 60 países. Mesmo recebendo uma fração de seus salários, o dinheiro era bom para os médicos de acordo com os padrões Cubanos.

Os estudantes de medicina em estágio avançado também serão chamados como parte das medidas para enfrentar o coronavírus, disse o funcionário do Ministério da saúde.

Comentários

Postagens mais visitadas